Observatório de Violência Obstétrica

Uma associação pioneira sem fins lucrativos, formada por Utentes e Profissionais do Sistema de Saúde, principalmente Mulheres e Mães, que visa melhorar as condições de atendimento às mães e filhos durante a gravidez, parto e puerpério. 

 

Inicialmente formou-se espontaneamente como Movimento EuViVO a 21-10-2021, depois de um comunicado da Ordem dos Médicos (OM) para apoiar mulheres que sofreram partos traumáticos, atendimentos discriminatórios, sem acompanhamento na área da saúde mental e da saúde feminina (fisioterapeutas de saúde uroginecológica, por exemplo). 

 

No dia 25 de Janeiro de 2022 oficializou-se como um Organismo multiprofissional, que surge da necessidade de observar e denunciar publicamente a incidência das práticas que constituem violência obstétrica. 

 

A Associação actua a nível nacional e tem como princípios a dignidade humana, a igualdade de género, a defesa dos direitos na gravidez, no parto e no pós-parto, a não-violência e a cooperação. 

A Associação fundamenta a sua acção nos instrumentos internacionais de Direitos Humanos, na Constituição da República Portuguesa e demais legislação nacional de protecção dos direitos fundamentais, bem como nas Recomendações da Organização Mundial de Saúde e nas evidências científicas.

Missão

O  Observatório da Violência Obstétrica nasceu com a necessidade de tornar visível, denunciar e acompanhar as mulheres e os seus recém-nascidos; casais, famílias e profissionais de saúde, vítimas de violência obstétrica em instituições públicas e privadas de saúde no nosso país.